terça-feira, 28 de abril de 2009

AI, AI, AI...

Ontem, de madrugada, assisti ao filme "Alguém como você" (Someone like you) e a música da última cena ficou na minha cabeça... tem o nome-título...

Fui dormir pensando que alguém como a pessoa que se escolhe para ser o(a) companheiro(a ) de travessia deste mundo deve ser assim, especial, que nos satisfaça os sentidos e que torne a vida mais agradável de ser vivida... É isso que torna a viagem mais prazerosa, digna de se admirar a paisagem...os pores-de-sol ficam mais vívidos em suas cores, as pessoas passam a ter mais virtudes que defeitos, a felicidade vira artigo tangível...

E acordei assim, com a alma remoçada em amor... Com as entranhas em rebuliço...

Sim, estou apaixonada. E pela mesma pessoa com quem troquei meus votos de fidelidade há cinco anos... E isso é realmente fascinante, porque para este mundo a perspectiva para um casamento é a sua deterioração. Cinco anos é muito tempo de casado para os moldes atuais!! Mas para quem tem a Deus como motivo de sua alegria e cerne desse tipo de relacionamento, o prognóstico é de sucesso inconteste! Ora, problemas sempre encontraremos. Mas pense nas infinitas possibilidades de superá-los com os olhos fitos em Deus e não nas nossas falsas capacidades de entendimento de si e do outro.

Há quem diga que amor não se quantifica. Mas eu prefiro acreditar no amor que se pode dizer que se ama TANTO a ponto de DAR! Então, eu amo meu marido AINDA MAIS do que no início, pois temos construído as bases do nosso amor na Fonte de todo o amor!

Recomendo a todos o deleite nesse sentimento que transcende o entendimento humano. Vai além das fronteiras de todo o conhecimento adquirido a respeito das emoções que regem nossa vida aqui. Porque o Amor que procede do Eterno dura para sempre.

Et carpe agape!

Ah, sim, a música é esta: Someone like you (Van Morrison) O link para ouví-la saiu do ar.


quinta-feira, 9 de abril de 2009